"Príncipes do Brasil"

Livro terminado!!!

Gostaria de, primeiramente, agradecer às 4.376 visitas a este blog. E digo mais: é por causa da pesquisa que vocês fazem em sites de busca que eu defino o ponto de maior interesse por parte de todos vocês. Sou muito grata por isso tudo!

Na verdade, estou postando aqui hoje para dizer a vocês que meu livro está semi-pronto. Já terminei de escrevê-lo, porém faltam apenas alguns retoques. Ele vai passar, a princípio, por duas revisões: uma feita pela minha orientadora e mestre, Bianca de Freitas e outra pela historiadora e mestre em História Social, Marta Viviene.

A princípio, o livro terá 197 páginas. Mas, vamos ver quais transformações ocorrerão com as revisões e modificações a serem feitas.

Em breve deixarei mais notícias para vocês que acompanham meu trabalho. Graças a vocês, todos os dias meu blog é visitado por, pelo menos, 20 ou 30 pessoas diferentes. Muito obrigada, mais uma vez!

Obrigada também pelos comentários, pelos elogios e críticas. Todos são muito bem vindos. Continuem comentando e criticando, porque tudo isso só tem a me acrescentar.

Abraços e até breve!

michelly-ribeiro

   TWITTER: Michelly Ribeiro

Mais informações: (12) 8822-6263

 Skype: michelly.antunes.ribeiro

Orkut: Michelly Ribeiro

ICQ: michellyribeiro

Anúncios

14 de agosto de 2009 Posted by | Uncategorized | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

Algumas Considerações…

Resolvi postar hoje porque quero contar a todos que recebi o prometido livro do professor de história e também monarquista Otto de Alencar de Sá Pereira neste dia 12/02/2009, com dedicatória e tudo. Dei uma folheada no livro e pretendo ler sim. O livro se chama “Diálogos Monárquicos” e envolve histórias relacionadas à monarquia, contadas por um avô a seu neto. Bastante criativo. Registro aqui meus agradecimentos… certamente o livro me acrescentará idéias para a elaboração do meu projeto!

Quero aproveitar para incluir aqui um texto que encontrei na internet, de autoria de Aramis Millarch, publicado em 31 de dezembro de 1988. É uma mensagem de jovens monarcas:

A mensagem dos jovens que querem a Monarquia

Muito mais gente do que se imagina parece estar levando a sério a proposta que o deputado paulista Antônio Cunha Bueno conseguiu incluir na Constituição: no plebiscito, a ser realizado em 7 de Setembro de 1993, para que o povo venha a definir a forma de governo mais adequada ao país, ao lado da República presidencial e República parlamentar haverá a Monarquia Parlamentar.

Organizados, os monarquistas estão procurando montar um esquema nacional através de representações regionais capazes de mostrar que o projeto do Brasil voltar a ser um reinado não é tão hilária quanto parece. Em termos de relações públicas, a Juventude Monárquica do Brasil, com sede na Rua Antônio de Macedo Soares, 1562, em São Paulo (fone 011-61-9195), distribuiu quase um milhão de cartões de Boas Festas trazendo uma foto do Príncipe D. Luiz de Orleans e Bragança, “digno herdeiro de veneráveis tradições e depositário de esperanças em dias melhores que a Providência Divina, por certo, ainda reserva para a nossa Pátria”.

xxx

Como anexo ao cartão, encimado pela frase “Um Santo Natal e abundantes graças de Deus-Menino para si e para os seus”, a Juventude Monárquica do Brasil distribuiu uma espécie de manifesto, que começa com a seguinte declaração:

“Estamos no limiar de 1989, ano do centenário da República. Daquela República que a população recebeu “bestificada”, como afirmou Aristides Lobo, um dos mais influentes chefes republicanos e membro do primeiro governo instituído após a queda da Monarquia. Daquela República em que os revolucionários de 1889 depositaram tantas esperanças e que, no entanto, um século depois, constatamos não ter tido senão contínuo desenrolar de crises, de golpes, de Constituições que pouco duram e de repúblicas novas que logo envelhecem.

Os horizontes nacionais apresentam-se hoje, em larga medida aliás como consequência desses 100 anos de República, mais turvos do que nunca.

Os problemas sócio-econômicos do país em 1889, reduziam-se a encaminhar bem, nas vias do estado de cidadãos livres, o elemento servil que a Princesa Isabel libertara; e a abrir o nosso território para a imigração, a fim de atender às necessidades de uma agricultura que crescia muito acentuadamente”.

xxx

A seguir, os monarquistas jovens tornam-se apocalípticos: “Hoje, pelo contrário, os problemas sociais se multiplicam e se agravam de tal maneira que se poderia dizer que em cada ponto da organização sócio-econômica de nossa Pátria está instalada uma questão difícil de resolver.

Tal situação deve-se em grande parte ao lamentável amortecimento da tradição cristã na vida pública do País, e ao mesmo tempo à fermentação contínua das doutrinas que Moscou não deixa de disseminar entre nós, ora com o sorriso de Gorbachev – de acordo com as apetências do mercado de consumo de idéias que é como Moscou vê o Brasil, a América Latina e o mundo livre em geral”.

Após este parágrafo que os meninos da Sociedade da Tradição Família Propriedade também assinariam, os monarquistas atacam com sua mensagem:

“É nesse panorama cercado de sombras, de ameaças e de incertezas por todos os lados, que brasileiros em números sempre crescentes se mostram desencantados com o suceder de tantas esperanças frustradas de 1889. E, buscando uma solução para o Brasil de nossos dias, começam a se perguntar: porque não a Monarquia?

Voltam-se eles com saudades para as recordações luminosas e carregadas de prestígio dos Imperadores que nos asseguraram a Independência, a unidade territorial, o bom nome internacional e 67 anos do autêntico progresso e estabilidade institucional”.

A Juventude Monárquica do Brasil fecha sua mensagem (de Natal) lembrando o plebiscito a ser realizado dentro de cinco anos, quando “o povo brasileiro decidirá qual a forma e o regime de governo que deverão vigorar no País. A monarquia constitucional será uma das alternativas. Na perspectiva desse plebiscito, é muito naturalmente para o Chefe da Casa Imperial do Brasil, legítimo sucessor dinástico de nossos Imperadores, que se voltam os olhares esperançosos de incontáveis brasileiros.

A Sua Alteza Imperial e Real, o Príncipe D. Luiz de Orleans e Bragança, a Juventude Monárquica prestam aqui homenagem, e ao mesmo tempo se honra de assegurar sua fidelidade irrestrita e seu entusiasmado devotamento“”.

 

michelly-ribeiro2

13 de fevereiro de 2009 Posted by | Uncategorized | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário